em

Naty Bittencourt, a fisioterapeuta que largou tudo pelo sonho de ser atriz, fala como é ser mulher nas artes cênicas

Formada em Fisioterapia, Naty Bittencourt faz teatro há mais de 10 anos e se mudou de Brasília para São Paulo pelo sonho de ser atriz. Ela exalta o Dia das Mulheres e conta como é ser mulher no universo das artes cênicas.

“O Dia das Mulheres é um dia de reconhecimento de toda a luta que já passamos. Se hoje eu posso votar, posso sair na rua sozinha e posso estudar é por causa de mulheres que lutaram por isso e foram à frente da sua época. A mulher sofre preconceito em todas as áreas e na arte não seria diferente. A mulher tem que mostrar ainda mais que tem talento para ser reconhecida e pegar um papel com carga dramática, principalmente se for jovem e bonita. Aí é preciso se esforçar para não ficar fazendo só estereótipos de bonita ou gostosa”, afirma a atriz e fisioterapeuta que já fez algumas participações em novelas.

“O maior presente que uma mulher pode ganhar é sua independência em todos os setores da vida: financeira, sentimental… Acho importantíssimo que culturalmente as mulheres sejam mais reconhecidas hoje, porém ainda temos muitas coisas para mudar. Os homens ainda são grande maioria em cargos de inteligência, política, etc, e as mulheres em cargos domésticos”, completa Naty Bittencourt.

Naty Bittencourt
Naty Bittencourt. Foto: Marcelo Martins / MF Press Global
Naty Bittencourt
Naty Bittencourt. Foto: Marcelo Martins / MF Press Global
Naty Bittencourt
Naty Bittencourt. Foto: Marcelo Martins / MF Press Global
Naty Bittencourt
Naty Bittencourt. Foto: Marcelo Martins / MF Press Global
Naty Bittencourt
Naty Bittencourt. Foto: Marcelo Martins / MF Press Global

Da Folha Geral, em Salvador*

*Com colaboração de (agência, assessoria ou especialista)

Nathali Pereira

Nathali Pereira, a Nat Tanajura, posa de ‘baterista peladona’

Letícia Gallo

Letícia Gallo, a “Mamãe Fitness”, conta que já sofreu preconceito no trabalho por ter um corpão